A experiência Mental de Einstein.



Interpretação do famoso experimento mental – “gedanken”, em alemão – formulado por Albert Einstein, quando tinha apenas 16 anos. 


Suponhamos um observador, com um espelho na mão à sua frente, deslocando-se em linha reta à velocidade da luz. 
Se o observador visse sua imagem no espelho, teríamos de reformular as leis da mecânica clássica. Por quê? Porque, pela mecânica clássica, o rosto do observador teria a mesma velocidade dos raios de luz, que desse modo nunca poderiam abandoná-lo para alcançar o espelho, dado que a velocidade da luz resultante seria nula. 

Se o observador não visse sua imagem no espelho, teríamos de abandonar o princípio da relatividade, pelo qual nenhuma experiência isolada permite distinguir repouso de movimento retílineo uniforme. Não vendo a imagem, só por isso, o observador poderia reconhecer que estava dotado de movimento retilíneo uniforme. 

Em suma: nenhuma imagem no espelho significaria luz parada, isto é,velocidade da luz relativa, prevalecendo a mecânica clássica; a imagem do observador no espelho significaria luz em movimento, isto é, velocidade da luz absoluta, prevalecendo o princípio da relatividade. Ou se reformulava a mecânica clássica, de Newton, ou se abandonava o princípio da relatividade, de Galileu. 

Ganhou a contenda o velho Galileu, pois luz parada não existe para nenhum observador, qualquer que seja a sua velocidade, pois isso implicaria um campo eletromagnético em repouso, o que é impossível, pela teoria de Maxwell.

Desse modo, a mecânica clássica, de Isaac Newton, teve de ceder sua hegemonia à teoria especial da relatividade, de Albert Einstein, pela qual:

(a) A velocidade da luz no vácuo é constante, para todos os observadores e referenciais. Seu valor é um limite, pois não pode ser atingida por nenhum outro móvel.

(b) À velocidade da luz o tempo pára.

(c) À velocidade da luz, todo corpo tem massa infinita e dimensões nulas.

A teoria especial da relatividade recebeu esse nome, inadequado, por causa do princípio da relatividade, de Galileu, que acabou prevalecendo. A teoria da relatividade não afirma que tudo é relativo. Apenas postula que o espaço e o tempo, absolutos na mecânica clássica, são na verdade relativos. Em compensação, a velocidade da luz, antes considerada relativa, passou a absoluta.


Tudo isso por causa de uma experiência mental. 
Uma vitória do pensamento humano. Gedanken!


Fonte: O homem horizontal

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *